Disponível em Compartilha o artigo

O Presidente da Câmara Municipal de Santarém, Sr. Ricardo Gonçalves: As cidades não vivem apenas de história e o progresso é indispensável à manutenção da vida na cidade.

Vivemos na era do conhecimento e aquilo que fazemos quer ao nível da política Nacional, quer ao nível da política local, só faz verdadeiramente sentido se puder ser partilhado em rede e se todos pudermos aprender com as boas práticas
  • Terça-feira, 31 de Julho de 2018, 16:00h
  • Author Olya Georgieva
Medium ricardo gon%c3%a7alves 2017 4
Fonte: Municipality of Santarem

O Senhor Ricardo Gonçalves é o Presidente da Câmara Municipal de Santarém desde 2012. Como consegue manter a confiança das pessoas?
Os primeiros quatro anos foram de consolidação orçamental e o mandato atual marca a passagem de uma situação financeira muito complicada para uma situação financeira muito estável. Hoje podemos dizer que somos um modelo de gestão autárquica. O Município de Santarém paga a 12 dias aos seus fornecedores, tem as suas contas consolidadas e faz obra de forma sustentável só avançando com projetos que efetivamente pode pagar e não comprometendo gerações futuras. O Município hoje investe no Concelho através de uma politica de proximidade com as suas freguesias, transferindo para as Juntas de Freguesia quase 1.115.000,00€, para conservação de estradas, reparações e conservação das escolas e manutenção e limpeza de espaços públicos garantindo o fomento da cooperação entre o Município e as Freguesias, para a prossecução de investimentos que incrementem a qualidade de vida das populações, em particular, as que residem no meio rural, promovendo a aproximação da gestão autárquica aos Munícipes e a equidade na distribuição das verbas do orçamento municipal e possibilitando de forma clara e concreta um crescimento homogéneo do Concelho.


Desde o seu primeiro mandato, começou um projeto para reabilitar o Centro Histórico de Santarém. Como vai conseguir preservar a história da sua cidade e ao mesmo tempo modernizá-la?
O património de uma cidade representa a materialização da sua história e identidade cultural e da sua memória coletiva, mas as cidades não vivem apenas de história e o progresso é indispensável à manutenção da vida na cidade.
A renovação implica um tratamento do tecido edificado e, por consequência, do tecido social e económico. A reabilitação não representa a destruição do tecido, mas a sua “habilitação”, ou seja, a readaptação a novas situações em termos de funcionalidade urbana. Será dado especial cuidado ao processo de reabilitação, com a adoção de metodologias rigorosas, equipas preparadas, parcerias eficientes e participação alargada. Preocupações com o património histórico-arquitetónico e com a manutenção da sua integridade comandarão sempre a forma de intervenção urbanística nestes locais.


Queria afirmar Santarém como destino de Turismo, de Cultura e de Lazer. Conte-nos mais sobre as possibilidades de turismo em sua cidade.
Santarém tem uma localização absolutamente privilegiada no nosso país, a pouco mais de meia hora de Lisboa e a duas horas do Porto ou de Espanha e com acessos rodoviários e ferroviários de excelência, oferecendo atualmente um complemento muito apetecível à cidade de Lisboa que sofre cada vez mais com a pressão Turística. Estamos a desenvolver um
Plano Estratégico de Valorização Turística para o Município de Santarém que prevê a estruturação turística do produto/eixo do património histórico-cultural como elemento âncora do processo de gestão da visitação turística da cidade de Santarém e sobretudo do seu centro histórico. Estamos ainda a avançar com diversos projetos de requalificação no Centro Histórico que visam a capacitação turística da Cidade.
Em Santarém as possibilidades são inúmeras, mas pela sua importância para a cidade temos de destacar a enorme riqueza do património histórico-cultural, santarém é a cidade com o maior número de monumentos classificados (ou em vias de classificação) por metro quadrado, continua a revelar-se um laboratório de arqueologia com importância internacional e mantém uma relação histórica privilegiada com o Brasil, já que, foi em Santarém que Pedro Álvares Cabral viveu os seus últimos anos e é aqui que repousam os restos mortais do navegador português. É também de destacar o potencial inegável do Concelho para desenvolvimento de atividades de turismo de Natureza - temos no Concelho primeira e única estação subterrânea de monitorização da fauna cavernícola de Portugal Continental - e turismo Enogastronómico - é em Santarém que há 38 anos se realiza o maior e mais antigo Festival Gastronómico do País e único de dimensão Nacional - sem esquecer a preponderância do Turismo Religioso - Santarém faz parte da Rota das Catedrais, tem um Museu Diocesano reconhecido como um dos melhores a nível Europeu e tem o santuário religioso Português com maior projeção internacional, visitado por mais de 15.000 peregrinos por ano dos quais 80% são estrangeiros.


Santarém já cria 520 postos de trabalho por ano e está abaixo da média nacional ao nível de desemprego. Dois anos atras o município em parceria com NERSANT – Associação Empresarial da Região de Santarém iniciou o Centro de Inovação Empresarial “Startup Santarém”. Conte-nos mais sobre esta iniciativa e os resultados atingidos até agora?
A Startup Santarém tem como propósito o apoio aos empreendedores nos processos de aceleração dos projetos empresariais que desenvolvem – da ideia ao negócio – e na obtenção de financiamento, propondo operacionalização e entrada no mercado, mais céleres e garantindo ainda um apoio nos primeiros anos de implementação e consolidação.
A ideia surgiu de uma necessidade de captação de novos negócios para o distrito e Santarém, e pela sua posição estratégica e capitalidade, naturalmente, foi o anfitrião certo para o desenvolvimento da iniciativa.
Hoje somos reconhecidos como o Concelho da Região que mais empresas criou nos últimos quatro anos e a Startup Santarém tem tido um papel de relevo neste crescimento, proporcionando uma base indelével à criação de novos negócios, quer no que diz respeito à disponibilização de infraestruturas físicas de elevada qualidade, quer no suporte aos empreendedores com um vasto conjunto de serviços de consultoria, mentoring, financiamento, entre muitos outros desde a fase da maturação da ideia, até à fase de consolidação.
Em dois anos a Startup Santarém ajudou a criar cerca de 40 empresas e foi líder nacional no âmbito do Vale Incubação, tendo sido a entidade nacional a submeter o maior número de candidaturas, que resultou na aprovação de 18 das 98 submetidas a nível nacional.
O Município pretende dar continuidade a esta frutífera parceria com o Nersant, continuando a Startup no percurso ascendente que trilhou até agora.


Declarou que acredita que Santarém será das cidades que mais se vão desenvolver nas próximas décadas. Conte-nos mais sobre o que conseguiu alcançar até agora nessa direção e o que planeia fazer?
Estamos a trabalhar em dois grandes vetores para o crescimento sustentável de Santarém: atrair investimento e fixar pessoas. Recentemente aprovámos um regulamento de apoio e incentivo à atividade empresarial e ao investimento, com vista a promover o desenvolvimento, apoiar a captação e fixação de empresas e o emprego. A criação deste regulamento surge da necessidade e intenção de incentivar o investimento empresarial no concelho de Santarém, nomeadamente, todo o investimento que seja relevante para o desenvolvimento sustentado, bem como para a criação e manutenção de postos de trabalho, assentes na qualificação, inovação e tecnologia.
É um Concelho com enorme potencial e dinamismo em setores como a agricultura e a agroindústria (setores nos quais a região é líder a nível nacional), mas também em setores como a metalomecânica ligeira, os curtumes, a extração de pedra, a floresta e papel, a energia ou o tratamento de resíduos e que, em comparação com Lisboa, apresenta uma vantagem competitiva no acesso da região aos Fundos do Portugal 2020, cujos apoios ao investimento assumem uma enorme relevância.
No vetor da fixação das pessoas apostamos na qualidade de vida que Santarém tem para oferecer, dispomos de todo o tipo de serviços (na Saúde, Educação, Desporto, Cultura), proporcionamos a qualificação dos nossos recursos humanos através da disponibilização de ensino profissional e superior de alto nível no nosso Concelho, e cada vez mais, atraímos e fixamos quadros de fora da região.
Temos a certeza que, através da consolidação destes dois vetores conjuntamente com o crescimento do turismo, que configura um terceiro vetor estratégico, o “atrair visitantes” Santarém irá ser um dos Concelhos com maior crescimento no nosso país.


Quais são os principais objetivos e ideias que pretende desenvolver em um futuro próximo?
Face à situação difícil em que o Município se encontrava quando chegámos à Câmara definimos objetivos muito claros de consolidação Orçamental com dois propósitos, começar a baixar os impostos Municipais e adquirir uma situação financeira que nos permitisse recorrer aos quadros comunitários, dois propósitos que cumprimos com êxito. Baixámos o imposto municipal sobre imóveis no anterior mandato e vamos voltar a baixá-lo no próximo ano de 2019 criando um impacto positivo nos orçamentos familiares dos nossos munícipes e negociámos um pacote de fundos comunitários na ordem dos 18 milhões de euros que nos permitem projetar o investimento futuro até 2022.
O Município vai realizar nos próximos anos diversas obras estruturantes para a cidade, nomeadamente, o programa para estabilização das encostas da cidade e a recuperação de
edifícios e espaços públicos, como a requalificação do Mercado Municipal, importante pólo de atração turística devido ao seu elevado valor arquitetónico, a requalificação da antiga Escola Prática de Cavalaria de Santarém, um espaço privilegiado dentro da cidade de Santarém onde pretendemos criar o Museu de Abril e dos Valores Universais (projeto que dignifica os valores do Bem Comum, em detrimento dos individuais, os valores da Democracia, da Liberdade, Igualdade e Fraternidade) e um Observatório da Gastronomia que reforçará a posição estratégica da cidade no panorama Gastronómico do país enquanto Capital Nacional da Gastronomia, entre outros que estamos agora a estruturar.


Como o Senhor Presidente da Câmara Municipal encontra a ideia de uma plataforma unificada para todas as cidades europeias onde os cidadãos europeus podem obter informações sobre tudo o que acontece na União? Como essa plataforma pode ser útil para os seus projetos?
Vivemos na era do conhecimento e aquilo que fazemos quer ao nível da política Nacional, quer ao nível da política local, só faz verdadeiramente sentido se puder ser partilhado em rede e se todos pudermos aprender com as boas práticas e garantir que continuamos a inovar trilhando o nosso caminho para a sustentabilidade. Esta plataforma permite um contacto direto entre os responsáveis pela gestão das nossas cidades e os cidadãos de toda Europa assumindo indiscutível valor para a construção de uma Europa melhor.